As 7 principais duvidas sobre MCMV respondidas aqui

7 dúvidas sobre o programa Minha Casa, Minha Vida respondidas aqui!

O programa Minha Casa Minha Vida já ajudou muitas pessoas a conquistar o sonho da casa própria e ainda é uma das principais formas de comprar um imóvel com condições de pagamento mais acessível. Atualmente o Governo Federal mudou o nome do Programa e se chama Casa Verde e Amarela, conheça aqui! Você com certeza já ouviu falar sobre o financiamento por aí, mas será que você sabe como ele funciona e quais são as regras para participar? 

Se você também quer fazer o seu financiamento imobiliário pelo programa da Caixa Econômica Federal, mas ainda tem dúvidas, não se preocupe: fizemos este post especialmente para você! 

Continue a leitura para conferir as respostas para as principais dúvidas sobre o Minha Casa, Minha Vida e saia deste post preparado para conquistar o sonho da casa própria!

Esclareça suas dúvidas sobre MCMV!

Criado em 2009, o programa Minha Casa, Minha Vida é uma iniciativa do Governo Federal voltada às famílias brasileiras que desejam realizar o sonho da casa própria. O objetivo é oferecer condições de pagamento facilitadas como taxa de juros abaixo do mercado, subsídios e prazo estendido para o pagamento.

Para participar é preciso preencher alguns requisitos e entender as regras do Minha Casa, Minha Vida, por isso preparamos este post. Pronto para esclarecer as suas dúvidas e conhecer cada etapa do programa? Então anota tudo aí:

1. Quem pode ser beneficiado pelo programa?

Qualquer pessoa com renda mensal de até R$7 mil pode participar do programa, desde que cumpra todos os requisitos determinados pela Caixa. O MCMV é dividido em 4 faixas com diferentes condições de financiamento, garantindo juros mais baixos e subsídio maior para quem tem renda mais baixa

Conheça as faixas:

• Faixa 1: renda familiar mensal de até R$1.800
• Faixa 1,5: renda familiar mensal de até R$2.600
• Faixa 2: renda familiar mensal de até R$4.000
• Faixa 3: renda familiar mensal de até R$7.000

Vale destacar que alguns casos ainda podem contar com a vantagem do subsídio: nestes casos, o governo paga uma parte do seu imóvel e você não precisa se preocupar em devolver esse dinheiro. Para definir a concessão do benefício, fatores como a sua renda, a faixa do programa na qual você se encaixa e o valor do imóvel são considerados.

2. Como contratar o Minha Casa Minha Vida?

Se você preenche todos os requisitos, existem duas formas de fazer a contratação: por meio de uma entidade organizadora, como construtoras parceiras, ou diretamente com a Caixa. Lembre-se de fazer a simulação no site do banco ou com a construtora para saber quanto pode investir.

Para quem está na Faixa 1 do programa, o processo é um pouco diferente: você precisa se cadastrar na prefeitura da sua cidade ou em uma entidade organizadora e aguardar o processo de seleção. Uma vez selecionado, você pode ser sorteado e depois acontece a entrega das chaves: pronto, a casa própria é toda sua!

Ah, não se esqueça de verificar com a instituição escolhida por você qual é a documentação necessária para a inscrição. Faça um checklist para garantir que você tenha tudo em mãos: isso vai prevenir atrasos no processo.

3. É possível se inscrever com o nome sujo?

O programa libera a contratação para quem está com o nome sujo apenas aos candidatos da Faixa 1. Se você possui renda acima de R$1.800 é preciso regularizar suas pendências financeiras antes de solicitar o Minha Casa, Minha Vida.

Apesar de ser permitido o financiamento para quem está com débitos em aberto, a nossa dica é buscar sempre quitar as dívidas para pagar as parcelas com tranquilidade. Além disso, crie um planejamento financeiro e mantenha a organização para evitar problemas no caminho.

4. O Minha Casa Minha Vida financia qualquer imóvel?

Não, o Minha Casa, Minha Vida possui algumas regras que variam de uma cidade para outra. Em geral, é preciso ser um imóvel novo e estar dentro dos limites do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) de cada cidade.

Em São Paulo, por exemplo, o limite é de R$145 mil. Lembre-se de consultar a sua cidade para saber o valor máximo para compra de imóveis estabelecido antes de fechar negócio. 

Ah, você também pode utilizar o crédito do programa para construir em um terreno que já está no seu nome – desde que não tenha nada construído nele – ou ainda financiar um terreno novo.

5. Como comprovar renda sendo autônomo?

Muita gente tem dúvidas sobre esse passo, mas comprovar renda sendo autônomo é um processo bem mais simples do que parece. Extratos bancários e a declaração de Imposto de Renda são suficientes, mas você também pode apresentar movimentações no banco ou ainda comprovantes de pagamentos.

Vale lembrar que o Minha Casa, Minha Vida permite a composição de renda familiar: quando você escolhe somar a sua renda a de outras pessoas, que podem ou não residir na mesma residência que você. Neste caso, as regras de comprovação de renda são válidas para todos os membros, assim como a lista de documentos a ser apresentada.

6. É possível vender o imóvel financiado?

Desde que seu imóvel esteja na Faixa 2 ou 3 do programa é possível vendê-lo a qualquer momento, mas não é permitido alugá-lo durante o financiamento. Já para a Faixa 1 não é permitido nem a venda nem o aluguel do imóvel durante o financiamento.

7. Posso antecipar o pagamento de parcelas?

Sim, é possível antecipar o pagamento de parcelas na fase de amortização do seu financiamento imobiliário. Você pode, inclusive, utilizar o seu saldo do FGTS para amortizar ou até mesmo para liquidar as parcelas do seu crédito. 

O mesmo saldo pode ser utilizado também para o pagamento do valor referente a entrada do seu financiamento pelo programa Minha Casa, Minha Vida. Consulte as possibilidades disponíveis, pois essa pode ser uma ótima maneira de diminuir o seu débito. 

 

Com as dúvidas esclarecidas, você já pode se planejar e realizar o sonho da casa própria com tranquilidade! Para entender melhor essa e outras oportunidades de financiamento imobiliário, não deixe de conferir outros posts exclusivos no blog da Cataguá.


Rolar para cima