financiamento

Como conseguir financiamento imobiliário: guia completo!

Se você está em busca de um imóvel, já sabe que o financiamento imobiliário é a forma mais acessível de conquistá-lo. Apesar de ser um grande facilitador, muita gente ainda tem dúvidas sobre o processo e acaba fazendo um mal negócio por falta de conhecimento ou até mesmo abandonando a ideia de investir neste sonho por medo da burocracia.

É exatamente por isso que decidimos criar um guia completo sobre como conseguir financiamento imobiliário especialmente para você! Nós queremos ver você tornando o sonho da casa própria uma realidade, por isso vamos compartilhar todos os passos para garantir um processo de financiamento tranquilo e seguro.

Quer conferir as nossas dicas? Então é só seguir a leitura deste post com a gente e ficar atento às informações compartilhadas!

Como funciona o financiamento imobiliário?

O financiamento imobiliário funciona como um empréstimo de instituições financeiras para que você possa adquirir a tão sonhada casa própria. Os bancos pagam o imóvel ao vendedor e você paga essa quantia ao banco de forma mais acessível em um prazo pré-determinado.

Diversos bancos oferecem este agente facilitador, mas cada linha de financiamento possui diferenças importantes entre si. Por isso é essencial avaliar todas as opções para encontrar a mais adequada ao seu perfil e às suas condições financeiras. 

Ao pesquisar, você encontra uma variedade de alternativas: a diferença entre elas fica por conta das condições de pagamento, valor do imóvel a ser financiado, bem como taxas e juros disponibilizadas por cada instituição financeira. 

Conheça as principais opções

Como nós falamos você pode encontrar as mais variadas opções para financiamento de imóveis, por isso é importante pesquisar muito antes de tomar uma decisão. Neste contexto, vamos te contar um pouco mais sobre as principais alternativas disponíveis no mercado, confira:

  • Minha Casa Minha Vida

O Programa Minha Casa Minha Vida é uma opção mais acessível para financiar imóveis. Com condições de pagamento facilitadas como prazo de até 360 meses para pagamento e juros bem menores, o financiamento oferecido pela Caixa Econômica Federal disponibiliza subsídios para te auxiliar no momento da compra.

Esses subsídios são uma quantia para cobrir parte do valor total do imóvel: a quantia varia conforme a faixa do programa na qual você está inserido, definida de acordo com a sua renda familiar mensal. Vale a pena fazer uma simulação no site oficial da Caixa para verificar as condições disponíveis para você. 

  • Sistema Price

Sem contar que o Programa Minha Casa Minha Vida, possui linhas de financiamento imobiliário normalmente divididas em dois sistemas. Vamos falar primeiro sobre o Sistema Price. 

O Sistema Price tem parcelas fixas durante todo o pagamento e suas primeiras parcelas são formadas em sua maior parte por juros, por isso costumam ser menores. Ao longo dos meses, os valores de amortização aumentam, mas os juros diminuem – sem nunca alterar o valor da sua parcela, que se mantém o mesmo do início ao fim. 

Essa é a opção perfeita para quem não quer ter surpresas pelo caminho. Você sabe exatamente quanto vai sair da sua renda para o pagamento do financiamento e pode se planejar com mais precisão. 

  • Sistema SAC

O Sistema SAC ou Sistema de Amortização Constante funciona de forma decrescente: as parcelas diminuem ao longo dos meses de pagamento. O valor da amortização se mantém o mesmo do início ao fim do financiamento, mas os juros são reduzidos mensalmente.

A redução dos juros permite essa diminuição das parcelas dentro do prazo definido para pagamento. Ao contrário do sistema anterior, aqui você tem parcelas diferentes e começa pagando um valor maior. 

Esse sistema é uma boa opção para quem prefere – e pode – pagar um pouco mais no começo para ter uma folga financeira maior ao final do pagamento do seu financiamento.

  • Construtoras

Além da possibilidade de fechar o financiamento com o banco, você também pode optar por fazer negócio diretamente com uma construtora. A grande vantagem aqui está na flexibilidade para a negociação.

Não existe uma determinação de taxas ou juros para esta categoria de financiamento e o limite de valor para o imóvel também não tem imposição. A proposta é muito atrativa, mas é importante pesquisar para escolher uma construtora de confiança.

A dica é ir até o empreendimento, buscar referências e checar o histórico de construções da empresa: verifique se as obras foram entregues no prazo, se houve algum problema com alguma construção e se quem comprou está satisfeito com o imóvel. 

  • Financiamento pelo SBPE

O SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) não define um limite de renda para solicitação do financiamento imobiliário, mas possui juros que podem ultrapassar os 12% ao ano. Caso o financiamento seja feito dentro dos limites do SFH (Sistema Financeiro de Habitação), os juros não podem ficar acima dessa porcentagem. 

Por outro lado, se o financiamento estiver fora dos limites do Sistema Financeiro de Habitação as taxas de juros podem ficar acima dos 12% ao ano. Sendo assim, é importante colocar estes pontos na balança para verificar se a escolha vale a pena para você. 

  • Financiamento pelo FGTS

Você também tem a opção de utilizar o seu saldo do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para financiar um imóvel. Este tipo de financiamento está dentro da categoria Sistema Financeiro de Habitação e o limite de valor do imóvel varia de tempos em tempos, por isso é importante checar antes de fazer uma solicitação.

Os juros costumam ser mais baixos do que o financiamento pelo SBPE, mas para participar é preciso preencher alguns requisitos: somente imóveis residenciais podem ser financiadas e a renda familiar bruta máxima é de R$7 mil para programas de habitação popular (como o Minha Casa Minha Vida) e de R$9 mil para outras operações habitacionais. 

Vale lembrar que cada instituição financeira vai apresentar uma proposta diferente e aqui não existe uma escolha melhor e outra pior: essa é uma decisão muito pessoal e tudo depende do seu perfil. Se planeje, defina um orçamento e saiba quanto pode gastar mensalmente sem prejudicar a sua renda para optar pela melhor linha de financiamento para você. 

Como conseguir financiamento imobiliário?

Depois de conhecer melhor as opções de financiamento imobiliário, chegou a hora de falar sobre a parte prática deste processo. Uma vez definido a categoria ideal para você, é necessário dar entrada no financiamento.

Para começar é preciso escolher o banco com a melhor oferta para o seu perfil ou ainda procurar uma construtora de sua confiança, já que é possível fazer um financiamento por intermédio dessas empresas também. Depois é o momento de cuidar da parte burocrática.

Nós sabemos que já bate uma preocupação só de pensar nessa parte da papelada, não é mesmo? Mas pode ficar tranquilo: com organização tudo se resolve com tranquilidade e você garante a sua aprovação rapidinho!

Para te ajudar nessa jornada e evitar atrasos no seu financiamento, separamos algumas dicas essenciais que vão tornar o processo mais seguro e tranquilo. Anote tudo para não esquecer. 

Dicas valiosas para garantir a aprovação 

Os erros são muito comuns em situações que envolvem trâmites mais burocráticos, como a compra de um imóvel, e isso pode atrasar todo o processo. A boa notícia é que esses deslizes podem ser facilmente evitados com um pouco mais de atenção aos detalhes. 

Confira algumas dicas para conseguir financiamento imobiliário sem erros ou imprevistos pelo caminho:

1. Faça uma simulação

O primeiro passo antes mesmo de dar entrada na solicitação do seu financiamento imobiliário é fazer uma simulação. A simulação oferece a oportunidade de visualizar as condições de pagamento disponíveis de acordo com o seu perfil e o tipo de imóvel que você pretende adquirir. 

Nesta etapa você pode saber quanto precisa pagar por mês para ter o imóvel que deseja, quais serão as taxas e os juros e qual o prazo para quitar a sua dívida com o banco. Essa avaliação é essencial para evitar um compromisso financeiro maior do que o permitido por sua renda mensal, ponto que nos leva a próxima dica desta lista.

2. Mantenha a organização financeira

Manter o controle financeiro é uma tarefa indispensável para quem quer investir em um imóvel e pode ser mais simples do que você imagina: basta ter um pouco de disciplina. Para começar, tenha em mente quanto você pode gastar antes de dar entrada no seu financiamento.

Tire um tempo para organizar as finanças e colocar na ponta do lápis todos os seus gastos mensais: você pode economizar com alguma coisa? Quanto você gasta com contas fixas (água, luz, internet) e quanto pode investir mensalmente para comprar um imóvel? Você tem algum dinheiro guardado para entrada, por exemplo?

Uma vez definido cortes e o orçamento disponível, é importante continuar com o controle financeiro para não perder o foco enquanto estiver pagando o financiamento e acabar se endividando. A dica é anotar todos os gastos: não importa se é uma balinha ou um sofá novo, coloque tudo em uma planilha, um caderninho ou em um aplicativo. 

3. Verifique sua situação no Cadastro Positivo

O Cadastro Positivo funciona como um histórico financeiro do seu comportamento como consumidor. A grande vantagem aqui é que o sistema não avalia apenas as suas dívidas e contas em atraso como acontece normalmente quando você solicita algum tipo de crédito. 

A ideia é considerar todo o seu histórico, por isso o Cadastro Positivo leva em conta também seus pagamentos em dia, parcelas pagas sem atraso e seu comportamento geral de compras. Assim você consegue uma base melhor para conseguir o financiamento imobiliário.

O cadastro no programa é feito de forma automática, por isso você já deve ter um perfil e as empresas podem consultá-lo para gerar crédito tendo como apoio informações muito mais completas do que antes. 

4. Faça um checklist da documentação

A entrega da documentação é uma etapa que merece atenção especial, já que a falta de um documento pode atrasar todo o processo. Por isso a nossa dica é listar todos os papéis necessários e fazer um checklist da documentação solicitada pelo banco ou construtora. 

Nós queremos facilitar o procedimento para você, por isso vamos te ajudar com essa burocracia também. Confira os documentos necessários em um primeiro momento:

  • CPF e RG (original e cópia): caso o financiamento seja feito com o seu cônjuge, é necessário apresentar os documentos dos dois. 
  • Comprovante de estado civil
  • Comprovante de renda: este é o comprovante mais importante dentro do financiamento de imóveis e pode ser representado pelo holerite, extrato bancário ou declaração de Imposto de Renda, por exemplo. A comprovação de renda para trabalhador autônomo pode ser feita pelo Imposto de Renda, por uma declaração do sindicato da sua categoria, recibo de trabalhos prestados ou ainda pela Decore (Declaração Comprobatória de Recepção de Rendimentos) – este último deve ser feito por um contador. 

Os documentos que declaram a sua renda são responsáveis por indicar à instituição que você é capaz de arcar com as despesas e pagar suas parcelas em dia, assim como a análise cadastral do seu CPF – que inclui também a verificação do Cadastro Positivo, conforme já explicamos aqui.

Uma vez não encontrado nenhum problema nessa verificação, o banco ou instituição responsável faz uma avaliação no imóvel e elabora o contrato para depois liberar o crédito. Vale lembrar que o valor das prestações do seu financiamento não pode ultrapassar 30% da sua renda familiar bruta mensal. 

Escolha a melhor opção para você!

Com as informações compartilhadas até aqui já ficou bem mais simples se preparar para dar entrada em um financiamento de imóveis de acordo com o seu perfil, não é mesmo? Mas ainda não acabou! 

Para deixar este guia ainda mais completo, decidimos listar algumas dicas extras para te ajudar a acertar na escolha da instituição com a melhor opção de financiamento de imóveis para você. Olha só:

  • Procure a melhor taxa de juros para financiamento 
  • Coloque seus gastos na ponta do lápis para não investir mais do que pode
  • Converse com os agentes bancários ou com os atendentes da construtora para tirar todas as suas dúvidas
  • Não feche negócio no impulso: pesquise muito para encontrar a melhor oferta para você

Bom, agora que você já conferiu um guia completo sobre como conseguir um financiamento imobiliário sem dor de cabeça, é hora de colocar as nossas dicas em prática! Tire um tempinho para se planejar financeiramente e depois para pesquisar com calma as ofertas de cada instituição. 

Aproveite para conferir outras dicas sobre financiamento de imóveis que podem te ajudar durante a jornada da conquista da casa própria aqui no blog da Cataguá!


Rolar para cima