banco para financiamento imobiliário

Saiba como escolher o melhor banco para financiamento imobiliário

O financiamento imobiliário é um grande aliado para quem deseja conquistar um imóvel, mas os bancos disponibilizam diversas linhas de crédito, com variações de taxas e condições de pagamento, e é preciso estar atento aos detalhes para garantir o melhor negócio para você.
Nem sempre o banco com juros mais baixos vai oferecer as melhores condições para você e vice e versa, por isso é essencial conhecer as linhas disponíveis no mercado. Existem alguns fatores que devem ser analisados por você na hora de escolher a instituição mais adequada ao seu perfil e neste post nós te contamos quais são eles.
Pronto para fechar o melhor negócio e conquistar a casa própria? Então vem conferir as dicas exclusivas deste conteúdo!

O que analisar antes de escolher o financiamento imobiliário?

O financiamento imobiliário ainda é uma das principais formas de conquistar a casa própria, mas com tantas linhas disponíveis pode ser difícil definir qual é a melhor opção para você. O processo exige pesquisa, calma, planejamento e muita atenção aos detalhes.
Muita gente acredita que basta escolher o financiamento imobiliário com a menor taxa de juros para garantir o melhor negócio, mas não é bem assim que funciona. A verdade é que as linhas de crédito incluem diversos outros fatores em suas condições de pagamentos: esses fatores podem ou não ser vantajosos para o seu perfil financeiro, por isso é importante analisar cada financiamento com muita atenção.
Saiba como escolher o seu banco para financiamento imobiliário:

1 – Organização e planejamento

Antes mesmo de começar a pesquisar as linhas de financiamento nos bancos, você deve colocar as finanças em dia e fazer um planejamento para ter mais clareza do quanto pode investir e de quais condições serão mais vantajosas para você.
O primeiro passo aqui é negociar dívidas ativas, caso tenha alguma: os bancos não liberam crédito para quem tem restrições no CPF, por isso é muito importante buscar a melhor maneira de resolver a inadimplência. Além disso, procure gastos que podem ser reduzidos ou até mesmo cortados, isso pode ajudar a aumentar o orçamento para pagamento das parcelas do financiamento.

2 – Avalie a credibilidade da instituição

Com as finanças em dia e orçamento definido, é hora de começar a pesquisar as linhas de crédito. Um dos pontos mais importantes aqui é conhecer a instituição com a qual você pretende fazer negócio, assim você garante uma transação segura e evita problemas ao longo do pagamento.
Avalie a credibilidade do banco quando o assunto é financiamento de imóveis: procure relatos de outros clientes, converse com amigos e familiares que já passaram pelo processo e tire suas dúvidas com a instituição. Visitar o site e as redes sociais do banco ou o portal Reclame Aqui são boas formas de fazer isso – a dica vale até mesmo para os bancos mais conhecidos, ok?

3 – Analise as taxas de juros

Como você já deve imaginar, as taxas de juros são um dos principais pontos a serem analisados no momento de financiar imóveis. Essas taxas farão parte do valor total pago mensalmente por você, por isso é importante saber a porcentagem cobrada e também o sistema de cobrança adotado pelo banco.
Antes de mais nada, é preciso saber que os financiamentos contam com três principais indexadores imobiliários: a TR (Taxa Referencial), o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) e o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado).
Será comum observar propostas que descrevem as taxas de juros dessa maneira: “taxa de juros X + TR”. Isso serve para que o banco possa ajustar os juros para os dias atuais, sem sofrer com a desvalorização ao longo do pagamento do financiamento, portanto lembre-se de ficar atento aos índices do indexador escolhido pela instituição, ok?
Além disso, vale lembrar que as suas parcelas são compostas pelos juros e pela amortização do saldo devedor, por isso você também deve se atentar ao sistema de amortização adotado pela linha de financiamento imobiliário de sua preferência. Existem dois principais:

  • Sistema SAC: o Sistema de Amortização Constante, as prestações são cobradas de forma decrescente. Ou seja, a primeira parcela é a mais alta, depois os valores vão reduzindo com o passar dos meses.
  • Tabela Price: aqui o pagamento permanece igual do início ao fim do financiamento.

4 – Verifique o Custo Efetivo Total do financiamento

Aqui temos um fator que muita gente se esquece de analisar no momento de encontrar o melhor banco para financiar imóveis: o CET (Custo Efetivo Total). Ao contrário do que muitos acreditam, os juros são apenas um dos componentes do custo total do seu financiamento.
É este valor que vai dizer se as taxas de juros de determinado banco realmente compensam para você, pois a partir dele você consegue analisar o real valor do financiamento, não se limitando apenas aos juros. Confira o que o CET inclui:
Seguros obrigatórios, como o de morte, invalidez e o de seguro do imóvel

  • Taxa de juros do banco
  • Indexadores atrelados à taxa de juros (TR, IPCA ou IGP-M)
  • Taxa de administração

5 – Confira os benefícios oferecidos

Além dos juros e do CET reduzidos, o banco pode oferecer outros benefícios e é importante considerá-los para fechar o melhor negócio para você. Esses benefícios podem ser um prazo maior para pagamento do financiamento, possibilidade de usar o saldo do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) ou composição de renda, por exemplo.
Outra dica é buscar os benefícios oferecidos pelo banco em que você já tem uma conta ativa: as instituições financeiras costumam disponibilizar condições diferenciadas para quem já é cliente, proporcionando excelentes oportunidades de negociação.

6 – Simule financiamentos

A nossa última dica aqui é também uma das mais importantes, pois torna o processo de pesquisa muito mais prático. Os bancos disponibilizam uma ferramenta de simulação para as linhas de financiamento, assim você pode ter uma ideia de quais serão as condições oferecidas.
Ao simular o seu financiamento, você pode conferir taxas de juros, valor das parcelas e prazo de pagamento, por exemplo. Essas ferramentas podem ser facilmente encontradas nos sites oficiais dos bancos: basta acessar, preencher os dados solicitados e pronto! Você consegue visualizar os detalhes e obter mais informações sem nem precisar sair de casa.
Apesar da praticidade, vale a pena reforçar que isso é apenas uma simulação. Muitas vezes, alguns pontos mudam no processo real e você pode até mesmo conseguir condições melhores ao negociar direto com o banco.

Qual banco é melhor?

Para que você possa ter uma ideia mais ampla das linhas oferecidas atualmente, trouxemos uma lista das condições disponíveis nos principais bancos do país. Confira:

  • Caixa Econômica Federal

A Caixa é conhecida por ter a menor taxa de juros do mercado e também por oferecer várias opções de linhas de crédito imobiliário. O banco oferece benefícios como uso do FGTS, financiamentos nos sistemas SFH (Sistema Financeiro Habitacional) e SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário), prazo estendido para pagamento e, claro, pelo programa habitacional do governo, o Casa Verde e Amarela.
Já falando sobre ele, o Casa Verde e Amarela é o substituto do Minha Casa Minha Vida. Com juros que vão de 4,25% a 8,16%, essa linha de financiamento oferece condições facilitadas como renda mensal necessária mais baixa, até 30 anos para pagar e possibilidade de usar o FGTS.
A instituição oferece ainda modalidades com taxa fixa, correção pela TR ou IPCA e, mais recentemente, lançou uma linha atrelada à poupança, em que as taxas efetivas partem de 3,35% + poupança, com valor corrigido pela TR. O prazo para pagamento nas modalidades tradicionais pode chegar a 420 meses e a Caixa também permite a inclusão de gastos com ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) e custos cartorários no financiamento.

  • Itaú

O Itaú também oferece linhas no SFH e no SFI, com taxas a partir de 6,9% ao ano durante todo o contrato. Assim como a Caixa, a instituição também lançou uma linha de crédito atrelada à poupança: nela, as taxas partem de 5,92% ao ano, considerando 3,99% ao ano + variação do índice da poupança.
O banco oferece a possibilidade de usar o FGTS, até 30 anos para pagar e financiamento de até 90% do valor total do imóvel.

  • Banco do Brasil

O Banco do Brasil disponibiliza financiamentos com taxas de juros a partir de 6,39% ao ano + TR ou a partir de 3,45% ao ano + IPCA, com benefícios para funcionários. A instituição permite o uso do FGTS e o financiamento de ITBI e custos cartorários, assim como a Caixa.
É possível financiar até 80% do valor do imóvel e o prazo de pagamento pode chegar a 420 meses. O Banco do Brasil também oferece financiamento pelo programa Casa Verde e Amarela.

  • Bradesco

O Bradesco disponibiliza taxas a partir de 6,70% ao ano + TR, além da linha atrelada à poupança. É possível usar o FGTS, o prazo máximo para pagamento é de 360 meses e você pode financiar até 80% do valor do imóvel.

  • Santander

O Santander oferece taxas de juros mínimas de 6,99% ao ano + TR no Sistema Financeiro de Habitação. Além disso, o banco permite uso do FGTS, disponibiliza um prazo máximo de 420 meses para pagamento do financiamento e financia até 80% do valor do imóvel.

Vale lembrar que as condições de pagamento também variam de acordo com o perfil de cada pessoa: o valor máximo das parcelas, por exemplo, normalmente não pode ultrapassar 30% da sua renda mensal, por isso é definido de maneira individual.
Agora você já tem todas as informações necessárias e está pronto para fazer o melhor negócio! Aplique nossas dicas na prática e comece agora mesmo a se planejar e pesquisar o melhor financiamento imobiliário para você.


Rolar para cima