mercado imobiliário

O que esperar do mercado imobiliário 2022?

Com a chegada do novo ano e depois de tantas mudanças no cenário econômico brasileiro, surge a pergunta: afinal, o que podemos esperar do mercado imobiliário 2022? Esse questionamento é muito importante para quem deseja comprar um imóvel e esse conteúdo vai trazer mais clareza sobre as suas oportunidades na hora de comprar o seu novo lar e assim, permitir um planejamento muito mais assertivo.
Nós vamos compartilhar neste post tudo o que os especialistas esperam para o mercado imobiliário no próximo ano. Continue a leitura com a gente para conferir!

Como o mercado imobiliário se comportou em 2021?

A pandemia de Covid-19 seguiu em 2021 e esse cenário sem dúvidas impactou a economia do país. Porém, a vacinação em massa trouxe novas expectativas de melhora e contribuiu para a reduzindo o desemprego e aumentando o consumo da população.
para que diversos setores registrassem índices melhores do que o ano anterior, reduzindo o desemprego e aumentando o consumo da população.
O crescimento do setor de construção civil e as políticas criadas pelos bancos para movimentar a economia brasileira fizeram de 2021 o ano do financiamento imobiliário.
Devido a pandemia, foram criadas diversas facilidades para quem desejava comprar um imóvel. Novas linhas de crédito imobiliário, juros reduzidos, portabilidade de financiamento e até mesmo a possibilidade de pausar parcelas foram algumas ações importantes para manter o mercado aquecido e incentivar o investimento imobiliário.

Recorde de financiamento imobiliário em 2021

Grande parte do aumento na contratação de financiamentos imobiliários em 2021, mesmo em cenário de pandemia, se deve às medidas criadas para facilitar o pagamento e principalmente os juros mais baixos.
Isso foi possível porque a taxa Selic, taxa básica de juros do Brasil, registrou índices históricos, começando 2021 a apenas 2% ao ano. Como a taxa possui impacto direto em todos os juros cobrados nas operações financeiras do país, esse índice possibilitou que os bancos reduzissem as taxas de suas linhas de financiamento imobiliário.
Para se ter uma ideia, a Caixa Econômica Federal, maior agente financiador do país, divulgou dados demonstrando a quebra de recordes em agosto de 2021: só neste mês, a instituição registrou a contratação de R$14 bilhões, um aumento de 33% comparado ao mesmo mês do ano anterior.

Confira as principais medidas para facilitar o financiamento imobiliário no cenário de pandemia

1. Criação da linha de crédito atrelada a poupança

A modalidade de financiamento imobiliário corrigido pela poupança foi destaque ao longo da pandemia. Adotada em 2020 por alguns bancos, como Caixa, Itaú e Bradesco, a linha trouxe taxas de juros mais atrativas para o consumidor.
Mais uma vez, isso se deve a queda da Selic em 2020, já que o rendimento da poupança tem como base a taxa básica de juros do país. Na prática, a linha de financiamento considera uma taxa fixa definida pela instituição financeira + rendimento da caderneta de poupança.
Para saber o rendimento da poupança, é preciso ficar de olho na Selic: quando a Selic está abaixo de 9,25% ao ano (como é o caso hoje), a poupança rende 70% da taxa básica de juros, mas quando a Selic fica acima de 8,5% ao ano, a poupança rende 0,5% ao mês.

2. Possibilidade de pausar parcelas

Uma das primeiras medidas anunciadas pelos bancos diante do aumento nos índices de desemprego do país, causado pela pandemia, foi a possibilidade de pausar as parcelas do financiamento imobiliário.
O benefício é temporário, mas já traz alívio para quem ficou mais apertado nesses últimos anos. Hoje, bancos como o Itaú, Banco do Brasil e Bradesco contam com o chamado “pula parcela”.
A medida permite que os clientes pulem até duas parcelas consecutivas do financiamento imobiliário, válido tanto para quem já tem operações de crédito com as instituições quanto para novos contratos. O valor dessas prestações normalmente é dissolvido nas outras parcelas restantes do financiamento.
Alguns bancos disponibilizam o serviço totalmente online, mas lembre-se de conferir as orientações da sua instituição para o processo e também as regras para pular as suas parcelas.

3. Programa Casa Verde e Amarela

Outra novidade apresentada em meio a pandemia de Covid-19 foi a substituição do Minha Casa, Minha Vida pelo Programa Casa Verde e Amarela. O programa habitacional do governo sempre foi conhecido por trazer condições de financiamento mais acessíveis para famílias de baixa renda e esse segue sendo seu objetivo.
A versão atualizada do programa traz taxas de juros ainda mais atrativas para as famílias com renda mensal de até R$7 mil que desejam conquistar a casa própria. É possível encontrar taxas a partir de 4,5% ao ano, lembrando que as condições de pagamento variam de acordo com o perfil de cada cliente.
Além das taxas mais baixas, quem financia um imóvel pelo Casa Verde e Amarela ainda conta com benefícios como possibilidade de usar FGTS, prazo de até 30 anos para quitar o financiamento e subsídios do governo dependendo do perfil.

Afinal, quais são as expectativas para o mercado imobiliário 2022?

Uma grande mudança ao longo de 2021, que provavelmente impactará no novo ano, é o aumento da inflação e da taxa Selic. A taxa básica de juros do Brasil é avaliada a cada 45 dias pelo Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), que decide manter o índice ou atualizá-lo. Hoje, a Selic está em 9,25% ao ano.
Como já explicamos aqui, a Selic tem impacto direto nas taxas de juros de operações financeiras, mas não precisa se preocupar: mesmo com o aumento da taxa básica, ainda temos um cenário positivo para quem deseja comprar um imóvel e a tendência é que o mercado imobiliário continue aquecido em 2022.
O conselho é não perder tempo e garantir o seu imóvel o mais breve possível, dessa forma, você aproveitará a baixa da taxa Selic e conquistará o seu novo lar com juros reduzidos.

Confira algumas tendências para o mercado imobiliário 2022:

1. Busca por imóveis maiores

Com a pandemia, os imóveis se tornaram muito mais do que um local para morar. As casas viraram academia, escritório e área de lazer da família.
Essas novas formas de utilização dos espaços trouxeram uma demanda por imóveis mais amplos, tendência que deve seguir forte em 2022.

2. Procura por imóveis com área de lazer

Junto com a preferência por imóveis mais amplos, chegou também a busca por condomínios com área de lazer ou casas com espaço para construção de áreas voltadas para os momentos de diversão.
Entre os principais itens procurados, espaços abertos e próximos à natureza são os que se destacam.

3. Processos digitais

Sem a possibilidade de atender presencialmente em tempos de pandemia, muitas imobiliárias, construtoras e até mesmo os bancos adotaram sistemas online para que todo o processo de compra de imóveis seja feito de forma 100% digital.
Mesmo com a volta do atendimento presencial, esse novo modelo deve seguir forte em 2022 pela praticidade proporcionada.

4. Taxa Selic

Falamos muito sobre a taxa Selic, mas vale a pena reforçar que ela ainda está em um índice muito bom para quem deseja comprar imóveis.
No passado, ela já chegou a atingir mais de 14%, o que complicou muito a vida de quem desejava financiar um imóvel. Por isso, não deixe de aproveitar a taxa mais baixa para realizar o sonho da casa própria!

Como se preparar para comprar um imóvel em 2022?

Agora que você já tem uma ideia das previsões para o mercado imobiliário em 2022, temos algumas dicas para te ajudar a se preparar para comprar o seu novo lar com segurança e tranquilidade. Confira:

  • Faça um planejamento financeiro

    Antes de mais nada, o primeiro passo fundamental para quem deseja comprar um imóvel é o planejamento financeiro e não tem melhor momento para colocar as contas em ordem do que final de ano, não é mesmo?
    Para organizar as contas, comece descrevendo seus rendimentos e gastos mensais, incluindo todos os custos fixos, como conta de água, internet e energia, por exemplo, mas sem deixar de anotar as despesas variáveis.
    O ideal é criar o hábito de anotar os seus gastos diários, assim você consegue manter a organização financeira e alcançar seus objetivos com maior facilidade.
    Outro passo importante é buscar negociar dívidas ativas, caso tenha alguma. Com isso, você consegue deixar o seu orçamento mais livre para investir na casa própria.

  • Compare linhas de financiamento imobiliário

    O financiamento imobiliário ainda é o caminho mais escolhido pelos brasileiros na hora de conquistar a casa própria e é também o mais acessível, por isso é importante conhecer as suas opções. Principalmente diante do cenário econômico atual, é fundamental comparar as linhas para encontrar as taxas que cabem no seu bolso.
    Para fazer uma comparação completa, é preciso analisar não apenas os juros, mas também o CET (Custo Efetivo Total), índice que indica o total a ser pago pela operação de crédito, incluindo não apenas juros, mas também taxas administrativas, seguros, encargos e tributos envolvidos no processo.
    Você pode conseguir esse e outros dados do financiamento para fins de comparação nas ferramentas de simulação disponibilizadas pelos bancos. Se preferir, vá até uma agência pessoalmente.

  • Fique atento à Selic

    Já te contamos aqui que a Selic é a taxa básica de juros do país e interfere diretamente nas taxas de juros de operações financeiras, incluindo as de financiamento imobiliário. Neste contexto, é muito importante ficar atento a possíveis alterações neste índice, já que pode ter impacto sobre o valor final do seu financiamento.
    Vale lembrar que a taxa Selic é revisada a cada 45 dias pelo Copom, podendo ou não ser alterada. Você pode acompanhar qualquer alteração diretamente no site oficial do Banco Central.

  • Entenda suas necessidades

    Ter um bom planejamento e manter os pés no chão são passos indispensáveis para conquistar um imóvel sem estresse. Por isso, além de organizar suas finanças, é preciso entender o que você busca em uma casa e também definir quanto você pode pagar por ela sem prejudicar o compromisso com outras despesas essenciais.
    Avalie o preço de imóveis com as características que você busca e verifique o valor disponível para financiamento de acordo com a sua renda mensal. Lembre-se que as parcelas de um financiamento imobiliário normalmente não podem ultrapassar 30% dessa renda.

Depois de todas essas informações e dicas exclusivas, você está pronto para conquistar o seu novo lar em 2022! Não deixe de acompanhar o blog da Cataguá para ficar por dentro das novidades do mercado.


Rolar para cima