Financiamento imobiliário

Financiamento imobiliário registra recorde em 2021

O financiamento imobiliário registrou índices históricos no primeiro semestre de 2021 e é prova do cenário promissor vivenciado pelo mercado dos imóveis nos últimos meses, mas a melhor parte de tudo isso é que o sonho da casa própria agora está mais perto de se tornar realidade do que nunca!
Com taxas de juros mais baixas e índices positivos mantendo o mercado aquecido, este é o melhor momento para comprar o seu tão sonhado imóvel e finalmente se livrar do aluguel.
Neste post, vamos te explicar alguns fatores que contribuíram para este cenário e também contar algumas medidas adotadas pela Caixa Econômica Federal que podem facilitar ainda mais a compra de imóveis. Vem conferir!

O crescimento do financiamento imobiliário em 2021

Apesar da pandemia trazida pelo coronavírus, o mercado imobiliário se manteve aquecido e até mesmo quebrou recordes entre 2020 e 2021. Diversos fatores contribuíram para isso e, principalmente, para os registros históricos de financiamentos imobiliários atingidos no primeiro semestre de 2021.
Segundo a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), as linhas de crédito imobiliário com recursos da caderneta de poupança registraram valor de R$19,66 bilhões apenas em junho. Este é o maior volume nominal registrado na série histórica iniciada em 1994, e representa um aumento de 112,1% quando comparado ao mesmo mês do ano anterior.
Os dados divulgados pela associação apontaram ainda que, só em junho, foram 86,2 mil imóveis financiados. Uma alta de 160%, se comparada ao mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, já foram 417,95 mil imóveis financiados e as expectativas seguem muito positivas.
A Abecip prevê um aumento de 57% para o ano fechado de 2021, com expectativa para um novo recorde: R$195 bilhões em financiamento imobiliário.

O impacto da taxa Selic

Grande parte do crescimento registrado se deve aos juros mais baixos apresentados pelos bancos em suas linhas de crédito imobiliário. Essa redução foi possível graças aos índices históricos da Selic, taxa básica de juros do nosso país.
Se ela está mais baixa, os juros em geral tendem a ficar menores também. A Selic registrou o seu menor patamar em 2020, permanecendo em 2% de agosto do mesmo ano até março de 2021. Hoje a taxa está a 5,25%, um aumento decidido pelo Copom (Comitê de Política Monetária) como forma de controlar a inflação no Brasil.
Mesmo com um aumento na taxa Selic, os juros dos financiamentos imobiliários seguem muito vantajosos e longe do pico de 2017, em que a Selic atingiu 13% e as taxas ficaram no patamar de 11% ao ano. A previsão é de que nos próximos meses a Selic volte a subir, portanto, a hora de garantir o seu imóvel é agora!

Caixa é destaque entre os recordes

A Caixa Econômica Federal é o principal banco quando o assunto é financiamento imobiliário, não é à toa que foi destaque no primeiro semestre de 2021 e também registrou recordes de contratações. Segundo a instituição, foram R$65,4 bilhões em concessões, um aumento de 36% em relação ao mesmo período do ano passado.
Só no mês de junho, foram R$13,1 bilhões contratados, o maior valor registrado pela Caixa em um único mês. Neste período, os contratos de financiamentos com recursos da poupança totalizaram R$7,8 bilhões, um crescimento de 103,4% comparado ao mesmo mês de 2020.
A Caixa apontou diversos fatores que levaram a estes resultados, dentre eles a ampliação dos processos digitais e também a criação de novas linhas de financiamento imobiliário. Atualmente, o banco conta com as seguintes opções de crédito:

  • Linha de financiamento corrigida pela poupança

    O financiamento da Caixa atrelado à poupança é o produto mais recente da instituição. Vigente desde março de 2021, a linha apresenta taxas de juros a partir de 3,35% ao ano + TR + rendimento da poupança.
    Vale lembrar que a TR hoje está zerada e a poupança rende de acordo com a Selic: se a Selic registrar até 8,5% ao ano, a poupança rende 70% da Selic. Se a taxa básica de juros ficar acima de 8,5% ao ano, a poupança rende 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano).
    A modalidade permite financiar até 80% do imóvel e impõe um teto máximo para a taxa de juros, que não pode ultrapassar 10,16% ao ano. O financiamento corrigido pela poupança representou cerca de 40% das contratações da Caixa em junho de 2021.

  • Linha de financiamento com taxa pré-fixada

    A modalidade de financiamento imobiliário da Caixa com taxa de juros pré-fixada apresenta índices a partir de 8,25% ao ano. Essa linha permite financiar até 80% do imóvel e não é corrigida por nenhum outro índice, sendo definida apenas pelo banco.
    Quem opta pela linha de crédito imobiliário com taxa pré-fixada da Caixa pode ter mais estabilidade nas parcelas, o que pode facilitar o planejamento para a compra da casa própria. Por outro lado, terá juros mais altos, por isso é importante colocar tudo na ponta do lápis antes de decidir qual o financiamento oferece as condições de pagamento mais vantajosas para você.

  • Linha de financiamento atrelada ao IPCA

    A linha de financiamento imobiliário atrelada ao IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) apresenta taxas de juros a partir de 3,55% ao ano + IPCA e permite financiar até 80% do imóvel.
    Calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA é um dos índices de inflação mais importantes do país e, como o nome já revela, é responsável por medir a variação de preços dos produtos e serviços considerados essenciais consumidos pelos brasileiros.
    Atualmente, o índice está em 0,96%, mas é importante acompanhá-lo se optar por essa modalidade de financiamento, pois as parcelas serão alteradas de acordo com ele.

  • Linha de financiamento corrigida pela TR

    A linha de financiamento imobiliário com correção pela TR (Taxa Referencial) é uma das mais comuns de crédito, agora ao lado da modalidade atrelada à poupança. As taxas de juros aqui ficam a partir de 7,99% ao ano + TR, lembrando que a Taxa Referencial está zerada desde setembro de 2017.
    Quem opta por essa modalidade também pode financiar até 80% do imóvel. Outros bancos, como o Itaú, o Santander e o Bradesco oferecem linhas atreladas a TR, com taxas que partem de 6,90% ao ano, portanto vale a pena pesquisar e fazer simulações para encontrar a proposta mais atrativa.

  • Programa Casa Verde e Amarela

    Substituto do Minha Casa, Minha Vida, o programa Casa Verde e Amarela é destinado às famílias com renda mensal de até R$7 mil e define as condições de pagamento de acordo com a divisão de grupos. Entenda:
    Grupo 1: atende famílias com renda mensal de até R$2 mil e apresenta taxas de juros entre 4,5% a 5,25% ao ano;
    Grupo 2: destinado às famílias com renda mensal de até R$4 mil, o grupo 2 tem taxas de juros que vão de 5% a 7% ao ano
    Grupo 3: o último grupo atende famílias com renda mensal de até R$7 mil e conta com taxas de juros que variam entre 7,66% e 8,16% ao ano.
    Vale destacar que estes índices são válidos para moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, já moradores do Norte e Nordeste contam com condições especiais. Além dos juros mais baixos, o programa oferece subsídios de acordo com a renda de cada mutuário e permite o uso do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para facilitar o pagamento.

Pausa no financiamento imobiliário da Caixa

Além das diversas linhas de crédito imobiliário com ofertas para todos os bolsos, a Caixa ainda anunciou uma medida para facilitar o pagamento do financiamento diante do cenário econômico instaurado pelo coronavírus.
A medida permite pausar as parcelas do financiamento imobiliário por até seis meses. Essa ação havia sido adotada de maneira temporária no ano passado, logo no início da pandemia de COVID-19, mas agora passou a valer novamente e trouxe novidades.
Os clientes agora também contam com a opção de reduzir as prestações por até seis meses. É possível solicitar uma redução temporária que pode variar de 25% a 74,99%: para descontos de até 25%, o prazo da redução é de seis meses, já para os descontos até 74,99%, o prazo é de três meses.
Essa solicitação pode ser realizada diretamente pelo aplicativo Habitação Caixa, mas quem precisar de uma redução acima de 75% precisará apresentar um documento que comprove a perda de renda para o banco. Vale ressaltar que os valores não pagos agora serão cobrados depois, diluídos no prazo restante.
Outra novidade é que agora clientes que estão recebendo o auxílio emergencial em 2021 ou seguro-desemprego também poderão optar pela pausa no financiamento imobiliário da Caixa de maneira mais descomplicada. O pedido também pode ser feito pelo aplicativo Habitação e, como o banco já possui os dados desses clientes, o processo fica muito mais fácil.
O crescimento da contratação de financiamentos imobiliários é a prova de que o mercado está em seu melhor momento para quem deseja conquistar a casa própria. Então, que tal aproveitar as taxas de juros mais baixas e todas as vantagens para finalmente tirar o sonho do papel?
Pesquise a melhor linha de crédito imobiliário para o seu bolso, planeje-se e dê adeus ao aluguel! Aproveite as dicas de outros conteúdos exclusivos aqui no blog da Cataguá para tornar o caminho ainda mais simples.


Rolar para cima