financiamento imobiliário da Caixa

Financiamento imobiliário da Caixa: conheça a linha ligada à poupança

A Caixa Econômica Federal agora conta com mais uma linha de crédito imobiliário para quem deseja comprar a casa própria: o financiamento Caixa atrelado à poupança traz taxas de juros mais baixas e condições de pagamento bastante atrativas. A modalidade pode ser o empurrãozinho que faltava para a conquista do seu novo lar, por isso trouxemos um conteúdo exclusivo sobre o assunto.
Neste post, você vai entender como funciona o financiamento imobiliário da Caixa, quais são os benefícios da nova linha e também conferir outras modalidades de crédito disponíveis no banco federal. É só seguir a leitura para conferir!

Como funciona o financiamento Caixa atrelado a poupança?

Disponível desde o início de março, a nova linha de financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal conta com correção pela poupança. Funciona assim: a taxa de juros é definida a partir de uma taxa fixa – que varia de 3,35% a 3,99% ao ano de acordo com o perfil do cliente – somada a variação do rendimento da poupança.
Para entender as taxas deste financiamento, não podemos deixar de explicar o cálculo utilizado para definir a variação da poupança. O índice é baseado na Selic, taxa básica de juros do Brasil, e é bem simples: quando a Selic for igual ou menor do que 8,5% ao ano, a poupança rende 70% da Selic. Se a Selic for superior a 8,5% ao ano, a poupança rende 6,17% ao ano.
Quando a Selic ultrapassa 8,5% ao ano, o cálculo da remuneração passa a ser 0,5% ao mês (6,17% ao ano) somado à variação da TR (Taxa Referencial), hoje zerada. Considerando o cenário atual, com a Selic a 3,50% ao ano, quem escolhe a linha de financiamento imobiliário da Caixa atrelada à poupança tem taxa de juros mínima de 5,8% ao ano (3,35% ao ano de taxa fixa + 2,45% ao ano referente ao rendimento da poupança).

Por que escolher o novo financiamento imobiliário da Caixa?

Antes de fechar contrato com qualquer financiamento é importante conhecer todas as condições de pagamento, requisitos e benefícios proporcionados pelo banco escolhido – neste caso, pela Caixa. Pensando nisso, listamos aqui os principais motivos para escolher a linha atrelada à poupança:

1. Limite máximo para taxa de juros

Explicamos que a nova linha possui uma taxa fixa e é corrigida de acordo com o rendimento da poupança, que por sua vez é calculado com base na Selic, mas é importante destacar que o financiamento traz um teto limite para a taxa de juros.
Este limite é de 10,16% ao ano, referente ao valor máximo que a poupança pode atingir em caso de alta da Selic. O cenário considera a taxa fixa máxima do financiamento, de 3,99% ao ano, somada ao índice máximo da Selic, de 6,17% ao ano.
Neste contexto, é possível ter maior previsibilidade sobre o valor das parcelas. Mesmo podendo variar de acordo com o rendimento da poupança, você sabe que as taxas de juros não poderão ultrapassar o índice de 10,16% ao ano.

2. Possibilidade de escolher entre sistema SAC ou Price

Uma grande vantagem da linha de financiamento atrelada à poupança é a possibilidade de escolher entre o sistema SAC (Sistema de Amortização Constante) ou Price para nortear as parcelas do crédito.
No sistema SAC, as prestações são mais altas no início e vão diminuindo com o passar do tempo. Já no sistema Price, as parcelas são fixas, portanto você paga o mesmo valor do início ao fim do financiamento.
A primeira parcela do sistema Price é formada por juros em sua maior parte, depois o valor em juros diminui, mas o valor em amortização sobe, mantendo as parcelas sempre iguais.
Já no sistema SAC, o valor de amortização se mantém o mesmo durante todo o pagamento e o que muda é o valor dos juros, que vão diminuindo ao longo do financiamento.

3. 35 anos para pagamento

O prazo máximo para pagamento do financiamento é de 35 anos, lembrando que é possível escolher entre o sistema SAC ou Price para amortização das parcelas. Nesta linha de crédito, você pode financiar até 80% do valor total do imóvel – o que significa que será necessário dar uma entrada de 20% deste valor total.

4. Juros mais baixos

Os juros praticados na linha atrelada à poupança apresentada pela Caixa são reduzidos, o que torna o financiamento muito mais vantajoso. Mesmo em um cenário de alta da Selic, as taxas ainda continuam atrativas.
Como a Selic é a taxa básica de juros do país, é também a responsável por nortear os juros oferecidos pelos bancos nas linhas de financiamento. Neste contexto, a tendência é um aumento das taxas de juros em todas as modalidades de crédito imobiliário em caso de alta da Selic.
Vale lembrar ainda que a linha atrelada ao rendimento da poupança conta com um teto máximo de 10,16% para a taxa de juros, o que traz mais previsibilidade para o financiamento.

5. Portabilidade disponível

Ao anunciar a linha com base no rendimento da poupança, o banco federal anunciou também a possibilidade de realizar portabilidade de crédito imobiliário para esta nova modalidade de financiamento.
Isso significa que quem possui contrato de financiamento em outra instituição poderá fazer a transferência para a linha atrelada à poupança disponibilizada pela Caixa. Essa medida pode ser muito vantajosa, caso as taxas de juros da nova linha sejam menores e as condições de pagamento mais atrativas.

Outras linhas de financiamento imobiliário Caixa

  • Financiamento corrigido pelo IPCA

    O financiamento com correção pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) disponível na Caixa Econômica Federal oferece taxas de juros que variam de 3,55% ao ano + IPCA e 4,95% ao ano + IPCA.
    O IPCA é calculado mensalmente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e é o índice da inflação brasileira, indicando a variação de preços dos produtos que chegam para o consumidor final. É possível acompanhar a taxa no site oficial do Banco Central.

  • Financiamento corrigido pela TR

    A linha de financiamento imobiliário Caixa corrigida pela TR é uma das mais comuns entre os brasileiros que desejam comprar a casa própria. A modalidade disponibiliza taxas que variam entre 7% ao ano + TR e 8% ao ano + TR.
    Neste contexto, com a Taxa Referencial zerada, hoje as taxas do financiamento chegariam a no máximo 8%, mas é importante estar atento às alterações do indexador utilizado como base para ajustar os juros. Se a TR subir, as parcelas do financiamento sofrerão mudanças de acordo com o percentual da taxa.
    Vale lembrar que a TR é regulada pelo Banco Central e é possível acompanhar a sua movimentação diretamente no site oficial da instituição, assim como acontece com o IPCA.

  • Financiamento com taxa pré-fixada

    A linha de financiamento pré-fixada mantém uma taxa fixa de juros do início ao fim do pagamento das parcelas. Isso significa que, ao contrário das modalidades explicadas anteriormente, não existe um índice regulador das taxas praticadas: os juros não sofrerão nenhuma alteração durante o prazo determinado para quitação do crédito.
    No caso da linha oferecida pela Caixa, essa taxa de juros fixa é de, no mínimo, 8% ao ano, variando de acordo com o perfil de cada cliente. É possível escolher entre os sistemas SAC ou Price para amortização do valor do crédito: para a primeira opção, o prazo de pagamento pode chegar a 360 meses, já no sistema Price o prazo máximo é de 240 meses.

  • Programa Casa Verde e Amarela

    Substituto do conhecido Minha Casa Minha Vida, o Casa Verde e Amarela é uma reformulação do programa habitacional do governo que disponibiliza financiamento imobiliário com condições diferenciadas de pagamento para famílias com renda mensal de até R$7 mil.
    A linha de crédito oferecida pela Caixa Econômica Federal ganhou mudanças, como a redução dos juros, que agora contam com taxas a partir de 4,5% para moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste e a partir de 4,25% para as regiões Norte e Nordeste. Além disso, é possível garantir subsídios do governo dependendo do Grupo no qual você se encaixa.

Além das vantagens como prazo estendido para pagamento, subsídios e taxas de juros mais baixas, é possível utilizar o saldo do FGTS para comprar imóveis com qualquer uma dessas linhas de crédito disponibilizadas pela Caixa. Você pode usar este valor na entrada do financiamento, para amortizar parcelas ou até mesmo para quitar a sua dívida.
Outro grande benefício concedido pelas linhas de financiamento imobiliário da Caixa é a possibilidade de incluir o valor do ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis) e os custos cartorários, como registro do imóvel, no crédito. Assim os gastos são pagos de forma diluída em suas parcelas.
Não há dúvidas de que a novidade traz muitos benefícios para quem deseja conquistar a casa própria, mas é preciso analisar as suas opções com calma. Agora que você já sabe tudo sobre a linha atrelada à poupança e também sobre as outras modalidades oferecidas pela Caixa, considere as condições de pagamento proporcionadas por cada uma delas para encontrar o melhor negócio para você.
No blog da Cataguá você encontra dicas exclusivas que vão te ajudar a decidir qual é o financiamento imobiliário ideal de acordo com o seu perfil, não deixe de conferir!


Rolar para cima