portabilidade de financiamento imobiliário

Saiba como fazer a portabilidade de financiamento imobiliário

Tem um financiamento imobiliário ativo, mas encontrou uma opção com condições de pagamento mais vantajosas em outro banco? Com a portabilidade de crédito imobiliário você pode transferir o seu contrato, aproveitar as melhores ofertas e ainda reduzir o valor total do financiamento!
Quer saber como fazer isso? Então vem com a gente entender o que é e como funciona a portabilidade de financiamento imobiliário, além de conferir quais pontos você deve analisar antes de solicitar a mudança. É só seguir a leitura deste conteúdo exclusivo!

O que é portabilidade de financiamento imobiliário?

A portabilidade é a oportunidade de transferir o seu contrato de financiamento imobiliário para outra instituição. Isso traz a possibilidade de aproveitar condições de pagamento mais vantajosas oferecidas por bancos diferentes daquele com o qual você fechou contrato.
As taxas de juros dos financiamentos imobiliários podem variar de acordo com o cenário financeiro do país ou com os índices em que são baseadas, como o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).
Nos últimos meses, os índices mais baixos da taxa Selic foram grandes impulsionadores para o aumento da portabilidade de crédito imobiliário. Isso porque a Selic é a taxa básica de juros do país e tem influência direta em todas as taxas oferecidas pelos bancos, incluindo as praticadas nos financiamentos imobiliários.
Com a queda da Selic, que chegou a atingir o menor patamar da história em 2020, os bancos puderam reduzir as taxas de juros das linhas de crédito e assim oferecer condições de pagamento mais atrativas aos clientes. Esse cenário contribuiu para manter o mercado aquecido e também abriu espaço para a criação de novas linhas de financiamento, como a corrigida pela poupança.
Tudo isso fez com que a portabilidade de crédito imobiliário ganhasse mais força durante a pandemia. Só em março de 2021, os pedidos de portabilidade apresentaram um crescimento de 114,1%: enquanto o mês de março registrou 3.606 solicitações em 2020, o mesmo período deste ano registrou 8.803 pedidos de transferência. Esses números são referentes a contratos feitos pelos dois sistemas de financiamento disponíveis, o SFH (Sistema Financeiro Imobiliário) quanto pelo SFI (Sistema Financeiro Imobiliário).
Mesmo com um acréscimo na taxa Selic, que hoje está a 5,25% ao ano, especialistas reforçam o cenário positivo para financiamentos imobiliários e lembrar que os juros seguem muito atrativos, diferente do que acontecia no passado, quando a Selic registrava um patamar de dois dígitos, índice que influenciava diretamente os juros altos nos financiamentos imobiliários.

Como funciona a portabilidade de crédito imobiliário?

Como você pode perceber, o cenário segue muito vantajoso para quem deseja conquistar a casa própria com uma ajudinha do financiamento imobiliário. Além das taxas de juros mais baixas, é possível encontrar uma variedade de linhas de crédito em diferentes bancos.
Por isso acaba sendo muito comum encontrar condições mais atrativas após já ter fechado contrato com uma instituição. Se este for o seu caso, a portabilidade de financiamento pode ser uma grande aliada para trazer um alívio financeiro para o seu bolso.
A portabilidade funciona de maneira bem simples: você faz a solicitação para o banco no qual você pretende migrar o financiamento e eles entram em contato com a instituição de origem para verificar todos os dados do seu contrato atual.
Para realizar o pedido é preciso ter em mãos uma cópia do seu contrato atual e o seu saldo devedor atualizado, que pode ser conseguido diretamente com o banco responsável. A documentação necessária para solicitar a portabilidade de financiamento imobiliário pode variar de uma instituição para outra, por isso não deixe de verificar as regras com os bancos responsáveis pela transação.

Regras da portabilidade

Criada em 2006, a portabilidade de crédito imobiliário é regulamentada pelo Banco Central por meio da resolução 3401/2006, responsável por definir algumas regras para a transferência. Vem entender mais sobre elas:

  • Quantidade de parcelas

    Antes de realizar a portabilidade é importante ter em mente que o prazo para pagamento do financiamento não é alterado, portanto a quantidade de parcelas permanece igual ao contrato original, mesmo que haja uma redução no valor total do crédito. O que muda é apenas o valor das parcelas, que pode ser menor do que no contrato anterior.

  • Sistema de amortização

    Outro ponto que não é alterado na transferência de financiamento imobiliário é o sistema de amortização do contrato original. Se você optou pelo sistema SAC (Sistema de Amortização Constante), seguirá nele mesmo após a mudança, já se o seu contrato foi feito pelo sistema Price, o sistema de cobrança do financiamento permanecerá no Price, independente da portabilidade realizada.

  • Parcelas em atraso

    Para solicitar a portabilidade de crédito imobiliário é preciso estar com as prestações em dia. Além disso, restrições no CPF também podem fazer com que você tenha o pedido recusado pelo novo banco.
    Isso acontece porque quem solicita a portabilidade passa por todo o processo de análise de dados novamente. Essa análise permitirá que o novo banco confirme a sua capacidade de arcar com as despesas do financiamento.

Vale ressaltar que nenhuma das instituições financeiras envolvidas no processo pode cobrar taxas pela transferência.

O que avaliar antes de fazer a portabilidade?

A portabilidade de financiamento pode ser uma grande oportunidade de economizar para muitas pessoas, mas isso depende de uma série de fatores. Assim como é preciso pesquisar e entender as condições disponibilizadas pelos bancos no momento de escolher o seu financiamento, a portabilidade também pede que você faça uma análise cuidadosa para garantir o melhor negócio.
Para descobrir se a transferência realmente será vantajosa para você, considere esses pontos antes de fazer o pedido de portabilidade:

1. Considere taxas de juros e taxas administrativas

É normal que as taxas de juros chamem atenção de primeira, mas vale a pena ressaltar a importância de comparar os valores pagos atualmente por você com os praticados por outras instituições.
Além disso, é essencial avaliar também as taxas administrativas incluídas no financiamento, pois elas afetam diretamente o valor total do financiamento, assim como o das parcelas.

2. Verifique o CET

As prestações são formadas pela taxa de juros e parcela de amortização, somadas aos chamados encargos acessórios, que são as taxas administrativas e seguros, como o DFI (Danos Físicos ao Imóvel) e o MIP (Seguros de Morte e Invalidez Permanente). Neste contexto, é muito importante ir além dos juros e entender todos os custos que compõem o financiamento imobiliário.
É aí que entra o CET (Custo Efetivo Total), um dos fatores mais importantes a se analisar antes de fazer a portabilidade de crédito imobiliário. O CET inclui todos os encargos do financiamento, como taxas de juros e os seguros obrigatórios, por isso pode dizer o valor total exato pago por você no financiamento.

3. Analise os custos envolvidos no processo

Antes de fazer a portabilidade, você deve estar ciente de que o processo vai envolver alguns custos extras. O novo banco precisa realizar a avaliação do imóvel e é preciso pagar uma taxa para essa operação.
Você também terá custos cartorários, como a averbação do novo contrato de alienação fiduciária e registro do imóvel. Coloque todas essas despesas na ponta do lápis para avaliar se a transferência será mesmo vantajosa.

4. Analise o valor da parcela e o saldo devedor

Comparar os valores das parcelas entre o banco original e o novo banco é um passo indispensável. A redução pode ser muito significativa, dependendo das taxas e condições disponibilizadas pela instituição financeira para a qual você deseja transferir o financiamento.
É importante conferir também o seu saldo devedor, comparando-o com o saldo total proposto pelo novo banco. Lembre-se de avaliar o Custo Efetivo Total para saber exatamente quanto você precisará pagar pelo financiamento imobiliário.

5. Faça uma simulação

Os simuladores são uma ótima ferramenta para avaliar as diferenças entre as condições de pagamento do seu contrato atual e as oferecidas por outras instituições financeiras. Ao preencher algumas informações básicas, você consegue verificar as taxas de juros disponíveis para o seu perfil e até mesmo ter uma previsão sobre o valor das parcelas.
Vale a pena destacar que isso é apenas uma simulação: as regras e condições de pagamento variam de um banco para outro e você pode até conseguir uma negociação mais vantajosa conversando diretamente com um atendente. Além disso, lembre-se de somar o valor aos custos envolvidos no processo de portabilidade de crédito imobiliário.

Muitas vezes, ao solicitar a portabilidade, o banco oferece uma renegociação da sua dívida, que pode acabar sendo mais vantajosa do que todo o processo de transferência. Portanto, a dica é levantar todos os dados das duas instituições e analisar a economia que você conseguiria ao fazer a transferência.
É importante levar essa comparação para a instituição já contratada e verificar a oportunidade de renegociação. A partir daí, analise as propostas e escolha a mais vantajosa para você. O banco de origem tem um prazo de 5 dias úteis para retornar com uma contraproposta e não pode negar a portabilidade, caso você opte por ela.
Aqui no blog da Cataguá você encontra tudo sobre financiamento imobiliário. Aproveite para conferir os conteúdos e tirar todas as suas dúvidas antes de fazer a portabilidade.


Rolar para cima