casa própria

7 passos para quem deseja investir na casa própria

Muita gente deseja conquistar a casa própria, mas muitos acabam se perdendo no processo. Saber escolher a melhor opção entre os vários tipos de imóveis, formas de pagamento variadas e entender toda a burocracia da transação pode ser difícil, mas quando você entende o passo a passo tudo fica muito mais simples.
Por isso reunimos tudo o que você precisa saber para investir na casa própria aqui neste post. Para descobrir o melhor caminho rumo ao seu novo lar, continue a leitura com a gente e fique atento a todos os passos que vão te ajudar nessa jornada tão importante.

Passo a passo para investir na casa própria

A compra da casa própria é um grande sonho para muita gente e não é à toa: conquistar um cantinho para chamar de seu é sinônimo de independência, estabilidade e conforto, além de ser um grande passo na construção do seu patrimônio financeiro. Ao contrário do aluguel, você terá mais liberdade para personalizar o imóvel e estará investindo em algo seu.
Existem inúmeros benefícios da casa própria, mas o processo de compra exige planejamento, pesquisa e organização. Por isso, preparamos um guia completo para te ajudar nessa jornada:

1. Escolha o tipo de imóvel

O primeiro passo é entender as suas necessidades e definir o tipo de imóvel que procura. Para começar, vamos conhecer as opções:

  • Casa: as casas podem ser um investimento um pouco mais alto, mas oferecem mais espaço e algumas vantagens em relação aos apartamentos, como mais privacidade. Aqui é possível escolher imóveis em condomínios fechados ou em um bairro planejado, por exemplo. Essa última opção é uma ótima maneira de garantir os benefícios de uma casa por um preço mais acessível, pois os imóveis em bairro planejado normalmente podem ser adquiridos na planta, garantindo condições de pagamento mais vantajosas.
  • Apartamento: os apartamentos costumam apresentar um valor mais atrativo a depender do tamanho da planta, e possuem a vantagem de contar com uma infraestrutura de lazer no condomínio, trazendo comodidade e conforto no dia a dia. São ideais para quem busca praticidade, segurança e bom custo-benefício.
  • Imóvel pronto para morar: os imóveis prontos para morar são boas opções para quem quer ou precisa se mudar rapidamente. Apesar de não apresentarem tanta flexibilidade para a negociação, é possível encontrar bons apartamentos e casas por um valor que caiba no seu orçamento.
  • Imóvel na planta: ao contrário dos imóveis prontos, a compra de um imóvel na planta costuma ser muito mais atrativa financeiramente. Como se trata de um imóvel ainda em construção, os preços são mais baixos e as condições de pagamento são mais vantajosas.

2. Organize as finanças

Independente do tipo de imóvel escolhido por você, uma coisa é certa: as finanças precisam estar em dia para que o investimento seja feito com consciência e as contas não fiquem apertadas no final do mês. Pensando nisso, temos algumas dicas para te ajudar com o planejamento financeiro:

  • Coloque as contas em dia: o investimento imobiliário exige organização financeira, por isso é importante quitar contas em aberto e evitar novas dívidas enquanto estiver se planejando. Além disso, lembre-se de definir um orçamento de acordo com a sua renda mensal para evitar problemas na hora de pagar o seu novo imóvel.
  • Economize: com as contas em dia, é hora de procurar maneiras de economizar para poder investir na casa própria com mais tranquilidade. Coloque seus gastos atuais na ponta do lápis e defina o que é uma necessidade e o que pode ser cortado ou reduzido (comer em restaurantes no expediente do trabalho pode ser um hábito substituído por uma marmita feita em casa, por exemplo).
  • Invista seu dinheiro: normalmente é preciso dar uma entrada de, pelo menos, 20% do valor total do imóvel na compra por meio de financiamento imobiliário, uma das modalidades de pagamento mais utilizadas atualmente. Por isso, é importante buscar maneiras de guardar este dinheiro: os investimentos são o melhor caminho para guardar o seu dinheiro e ainda fazê-lo render.
    Busque a melhor modalidade de investimento para você e lembre-se de que quanto mais conseguir poupar, melhor será na hora de negociar a compra do imóvel.

3. Pesquise muito!

A compra da casa própria é um passo muito importante, por isso exige alguns cuidados para garantir que você encontre um imóvel capaz de atender às suas necessidades e expectativas. Agora que você já sabe qual tipo de imóvel deseja adquirir e já tem um orçamento definido, é hora de começar a pesquisar.
A pesquisa pode começar pela internet: busque imóveis na região de sua preferência com as características desejadas para ter uma ideia de preço e selecione aqueles que mais lhe agradam. Esse processo de filtragem também pode ser feito com a ajuda de um corretor de imóveis ou com uma construtora de confiança, o que vai tornar a busca muito mais fácil e assertiva.

4. Analise a melhor forma de pagamento para você

A compra de um imóvel pode ser feita de diversas maneiras, vai de você escolher qual delas é a mais vantajosa. Para isso, é preciso pesquisar e entender como funciona cada uma delas:

  • À vista: o pagamento à vista quita o débito de uma vez e concede maior poder de negociação por parte do comprador. Por outro lado, essa forma de pagamento exige que você tenha toda quantia de dinheiro a sua disposição para realizar a compra, por isso nem sempre é a escolha mais acessível;
  • Financiamento imobiliário: uma das modalidades mais utilizadas atualmente, o financiamento imobiliário é um crédito concedido pelo banco para facilitar a compra do imóvel, tirando a necessidade de ter uma grande quantia de dinheiro guardada para conseguir fazer o investimento. O valor é devolvido para a instituição com acréscimo de juros, mas com parcelas definidas de acordo com a sua renda mensal.
  • Consórcio imobiliário: o consórcio imobiliário é basicamente um empréstimo do banco para que você consiga realizar a compra do imóvel: esse dinheiro será devolvido à instituição de maneira parcelada durante o período determinado em contrato, com a vantagem de não ter incidência de juros (o consórcio tem apenas taxas administrativas).
    Ao contrário do financiamento, no consórcio o valor para aquisição do imóvel só é liberado quando você recebe a chamada carta de crédito. Isso pode ocorrer de duas formas: por meio dos sorteios mensais ou por lances individuais, que você pode dar para conseguir a carta sem precisar contar com a sorte.

5. Conheça as linhas de financiamento imobiliário

Seja um apartamento ou uma casa, um imóvel na planta ou pronto para morar, o financiamento imobiliário pode ser um grande aliado no processo de compra, mas é importante avaliar com atenção as linhas de crédito disponíveis para escolher a mais vantajosa para você. É possível encontrar opções com taxas pré ou pós fixadas.
Financiamentos com taxas prefixadas trazem juros fixos, portanto as suas parcelas terão o mesmo valor ao longo do contrato, sem surpresas. Já as linhas pós-fixadas podem sofrer variações de acordo com os índices aos quais estão atreladas.
A Caixa Econômica Federal, por exemplo, oferece linhas atreladas à poupança, à TR (Taxa Referencial) e ao IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Além delas, o banco ainda conta com o programa Casa Verde e Amarela, que atende famílias com renda mensal de até R$7 mil e disponibiliza taxas de juros a partir de 4,25% ao ano.
Vale destacar ainda que é possível financiar o seu imóvel direto com a construtora, o que garante um processo menos burocrático e melhores condições de pagamento.

6. Planeje-se para gastos extras

Quando se planejar para comprar um imóvel, inclua gastos extras na conta para não se enrolar depois. Calcule custos como o ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Móveis), registro de imóveis e outros gastos cartorários, assim como as despesas com mudança e com a compra de produtos para mobiliar a nova casa.
Se optar por um imóvel pronto para morar, lembre-se de conferir se o proprietário anterior não deixou nenhum débito em aberto. Atente-se também à possibilidade de reformas ou reparos: ao visitar o imóvel, certifique-se de que o layout atende às suas necessidades, verifique as condições estruturais, instalações elétricas e hidráulicas.

7. Prepare a mudança!

Depois é só se preparar para a tão aguardada mudança! Se você optou por um imóvel na planta, terá mais tempo para se planejar e até mesmo para comprar móveis, eletrodomésticos e outros itens para a casa nova: se organize para fazer isso aos poucos e evite assim novas dívidas.
Se comprou um imóvel já pronto, arrume tudo com calma para não deixar nada para trás: faça um checklist para ajudar e embale os itens com cuidado, utilizando os materiais adequados para garantir a preservação de todos os seus móveis, equipamentos e utensílios domésticos.

Com esse passo a passo você está pronto para investir na casa própria! Se quiser conferir outras dicas que podem te ajudar na compra do seu novo lar, não deixe de acessar outros conteúdos do blog da Cataguá!


Rolar para cima