Juros menores conheca nova opcao de portabilidade para credito imobiliario

Juros menores e nova opção de portabilidade para crédito imobiliário!

Com o mercado aquecido e ótimas oportunidades de negócio, o ramo imobiliário traz mais uma medida para te ajudar: a portabilidade de crédito imobiliário. Essa iniciativa pode facilitar a migração de um financiamento para outro com condições diferenciadas de maneira prática. 

O cenário positivo trazido para os financiamentos imobiliários pela queda histórica da taxa Selic tornou a portabilidade muito atrativa para quem deseja conseguir negociações mais vantajosas de crédito. Esse pode ser o empurrãozinho que faltava para você respirar mais aliviado no final do mês. 

Quer entender melhor como funciona a portabilidade para crédito imobiliário? Então continue a leitura para descobrir tudo sobre o processo de transferência.

Como funciona a portabilidade para crédito imobiliário?

O mercado imobiliário está em alta e chegou repleto de novidades que podem te deixar ainda mais perto da casa própria em 2020. Além de taxas de juros mais baixas e novas linhas de financiamento, você também poderá escolher uma nova portabilidade de crédito imobiliário.

Em outro momento econômico, as taxas de juros dos financiamentos podiam chegar a 10%. Nestes casos, a portabilidade é extremamente vantajosa e pode garantir uma redução significativa nas parcelas e no valor total de crédito.

A novidade começou a valer em abril de 2020 e permite a quem tem um financiamento imobiliário pelo SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário), a transferência de contrato para o sistema SFH  (Sistema Financeiro da Habitação). 

A grande vantagem da portabilidade é a diferença entre as taxas de juros: enquanto no sistema SFI elas são livres, no sistema SFH elas são bem mais baixas por utilizar recursos da caderneta do FGTS e da poupança. Outro benefício é a possibilidade de conseguir condições de pagamento e negociação mais atrativas.

Saiba como pedir a portabilidade

A portabilidade de crédito imobiliário ainda pode ajudar quem não conseguiu se encaixar no sistema SFH antes por algum motivo, como valor do imóvel acima do limite, por exemplo.

Para se ter uma ideia, há 2 anos o valor máximo do imóvel era R$1 milhão e hoje já passou para R$1,5 milhão. Com a portabilidade, será possível fazer transferência e contar com taxas bem mais baixas: enquanto a taxa do SFI registrou 8% em 2019, a taxa do SFH ficou em 7,2%.

Entenda como solicitar a portabilidade de crédito imobiliário e conheça as etapas envolvidas no processo:

1. Peça algumas informações ao banco atual

O primeiro passo rumo a portabilidade de crédito imobiliário é entender a sua situação em relação ao banco com o qual você fechou negócio e tem contrato ativo. Para isso, existem algumas informações específicas que devem ser solicitadas à instituição responsável pelo seu financiamento atual e nós vamos te contar quais são elas.

Peça uma cópia do seu contrato atual e também a data do último vencimento da operação. Além disso, solicite o saldo devedor atualizado – esse é um dos dados mais importantes para conseguir analisar se a troca de financiamento imobiliário vai oferecer condições mais interessantes e vai realmente ser vantajosa para você.

2. Faça simulações em outras intituições

Agora que você já tem as principais informações sobre a sua linha de crédito imobiliário atual, é possível comparar as condições de pagamento com as oferecidas por outras instituições financeiras. É essencial dedicar um tempo para analisar as oportunidades com calma, ok? Uma troca impulsiva pode acabar rendendo alguns prejuízos para você.

A boa notícia é que você pode evitar isso com uma ferramenta bem simples: os simuladores de financiamento imobiliário. Os bancos disponibilizam esse mecanismo para que você consiga ter uma previsão sobre as condições do crédito, como prazo para pagamento, taxas e juros e até mesmo valor das parcelas.

Para fazer essas simulações basta acessar o site oficial da instituição de sua preferência e preencher os dados solicitados. Você também pode comparecer a uma agência e fazer o processo com o auxílio de um atendente.

3. Registro do pedido de transferência

Uma vez solicitada a portabilidade de crédito imobiliário, o próprio banco com o qual você possui contrato deve registrar o pedido junto a CIP (Câmara Interbancária de Pagamentos). Após esse registro, a instituição atual tem um prazo de 5 dias úteis para contatar você e oferecer uma renegociação do contrato com condições de pagamento mais vantajosas.

Caso você aceite, o registro é cancelado, mas se decidir seguir com a portabilidade, passamos para a próxima – e última – etapa do processo de transferência. Vamos explicá-la a seguir, então continue a leitura do post com a gente para entender os detalhes.

4. Troca de dados e quitação da dívida entre bancos

Aqui é o momento em que o banco responsável pelo financiamento atual envia todos os seus dados e todas as informações necessárias para que a nova instituição escolhida por você possa dar andamento à operação. Após essa troca de informações, o novo banco também deve quitar o seu débito com a instituição antiga.

Uma vez realizada a quitação, o banco original deve enviar um documento à nova instituição, atestando a efetivação da portabilidade. 

Vale destacar que a transação para quitação do contrato original é de responsabilidade total da nova instituição financeira contratada por você. Isso significa que você não deve pagar nada por ela, ok? Fique atento a cobranças indevidas.

Como saber se a portabilidade é vantajosa para mim

Até aqui falamos muito sobre as vantagens da transferência e realmente o procedimento pode trazer inúmeros benefícios para você, mas nem sempre é a melhor opção. Isso varia muito de acordo com as condições oferecidas para você pela linha de financiamento atual.

É preciso analisar alguns pontos para entender se a troca vai mesmo trazer um cenário mais positivo para você. Pensando nisso, listamos algumas dicas para te ajudar a avaliar se a portabilidade de crédito imobiliário é a melhor opção para você:

1. Verifique as condições atuais de financiamento

Lembra quando falamos que o primeiro passo para solicitar a portabilidade de crédito é pedir algumas informações para o banco atual? Pois é, elas servem para colocar na balança suas condições atuais de pagamento com aquelas oferecidas por outras instituições financeiras. 

Aqui é importante analisar a taxa de juros nominais e o CET (Custo Efetivo Total) do financiamento, que inclui não apenas os juros, mas também os seguros e outras tarifas embutidas em suas prestações, apresentando assim o valor total do seu financiamento. Assim você pode conferir quanto falta para quitação do crédito e assim entender as vantagens e desvantagens da portabilidade para você.

2. Compare as taxas entre instituições

Para encontrar o melhor negócio para você, é preciso muita pesquisa e um bom planejamento. Aqui uma das análises mais importantes, como já destacamos, é a comparação entre juros e outras taxas cobradas por cada banco, assim como o Custo Efetivo Total de cada linha de crédito imobiliário.

Parece trabalhoso e demorado, mas na verdade pode ser muito mais simples do que você imagina. Isso porque é possível utilizar plataformas online de comparação para descobrir essas cotações, por exemplo.

Nem sempre a instituição com os juros mais baixos vai ser aquela que oferece um CET mais vantajoso, por isso é preciso analisar todas as taxas cobradas pela instituição antes de fechar negócio.

3. Verifique se existem outras opções dentro do banco atual

Muitas vezes, a própria instituição em que você já possui contrato de financiamento imobiliário ativo oferece outras linhas de crédito com condições mais atrativas, por isso vale a pena se informar antes de decidir migrar para outro banco.  

Várias instituições financeiras lançaram novas linhas de crédito em 2020 como medida para movimentar o mercado imobiliário e também aproveitando a redução da taxa Selic. Neste cenário, pode ser que oportunidades mais atrativas para você tenham sido criadas e com a portabilidade é possível aproveitá-las. 

Além disso, fazer a portabilidade dentro do banco original também pode render boas oportunidades de negociação.

4. Considere custos adicionais

Muito mais do que considerar as taxas, os juros e o Custo Efetivo Total de outras linhas de crédito imobiliário, você precisa também analisar os custos adicionais envolvidos no processo de transferência. Esses custos podem variar de uma instituição financeira para outra, mas vamos falar sobre os principais para que você possa entender melhor o cenário.

A taxa para abertura de crédito é a mais comum, mas alguns bancos podem também cobrar pela elaboração de cadastro. Além disso, a transferência do imóvel para uma nova instituição também costuma ser cobrada, com taxas diferenciadas em cada instituição.

Sabemos que custos adicionais não soam muito bem, mas não precisa se desesperar: mesmo com eles, a portabilidade ainda pode ser vantajosa para você e ainda é possível tentar negociar com o banco para conseguir a cobertura dessas despesas.

Viu só como é simples? Agora é só utilizar as nossas dicas e avaliar a situação para verificar se a portabilidade é realmente vantajosa para você, lembrando que, uma vez aprovado o seu crédito, é o banco atual quem deve migrar todos os seus dados para a nova instituição escolhida por você, sem nenhuma cobrança extra por essa transação ou pelo processo de quitação da dívida do contrato original.


Rolar para cima